Ubá: Informativo Epidemiológico
14/12/2018 09:53 em UBÁ EM PAUTA

Informativo Epidemiológico de enfrentamento ao Aedes - 33/2018

 

 

A Prefeitura de Ubá, através da Secretaria Municipal da Saúde, com o objetivo de informar a toda população os dados atualizados em relação à situação epidemiológica do Município, divulga o Informativo Epidemiológico, na edição 33/2018, com os números relativos às doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.

 

A Vigilância Epidemiológica informa que até o momento, foram constatadas 2347 notificações de casos prováveis de arboviroses sendo 2206 de Dengue, 111 casos os de Chikungunya, 30 casos de Zíka Vírus e um caso suspeito de Febre Amarela. Foram positivos com confirmação dos exames laboratoriais, 1750 casos de Dengue.

 

Destaca-se que os exames são realizados em laboratório de referência, na Fundação Ezequiel Dias - FUNED, em Belo Horizonte, conforme preconizado pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES/MG). Assim, o tempo de resposta das amostras encaminhadas para análise varia de acordo com a demanda da instituição.

 

Com a finalidade de auxiliar os profissionais da Saúde na realização das Notificações dos casos suspeitos de Dengue, Zika Vírus e Chikungunya, foram disponibilizadas as fichas de notificações e protocolos de atendimento para melhor condução dos trabalhos. CLIQUE AQUI para acessar os documentos.

 

A Seção de Controle de Zoonoses informa que dos dias 3 a 7  de Dezembro, foram trabalhados os bairros: Itatiaia, São Domingos, Eldorado, Santa Clara, São Sebastião, Jardim Glória, Avenida, Santa Cruz, Centro II. Foram visitados 3.276 imóveis e 475 focos foram encontrados.

 

Foram concluídos os ciclos de passagem do carro Fumacê iniciados no dia 7 de fevereiro. Todos os bairros com alta incidência de casos notificados foram percorridos, destaca-se que os ciclos de passagem são realizados conforme preconizado pelo Ministério da Saúde.

 

LIRAa

 

O Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) é uma metodologia proposta pelo Ministério da Saúde que ajuda a mapear os locais com altos índices de infestação do mosquito Aedes aegypti e, consequentemente, identificar os criadouros predominantes e a situação de infestação do município. Permite o direcionamento das ações de controle para as áreas mais críticas. Resultados inferiores a 1%, ou seja, menos de uma casa infestada para cada 100 pesquisadas, indicam condições satisfatórias. De 1 a 3,9% indica situação de alerta. Resultados superiores a 4% indicam que há alto risco de surto de Dengue.

 

A Secretaria de Saúde, através dos Agentes de Combate às Endemias, informa que o resultado do quarto Levantamento de Índice Rápido de Infestação por Aedes – LIRAa, apontou 3,8% e que aponta médio risco. O trabalho de levantamento foi realizado dos dias 15 a 18 de outubro, foram visitados 1.897 imóveis, onde foram encontrados 93 focos do Aedes Aegypti e 03 de Aedes Albopctus.

 

A maior parte dos focos encontrados segue sendo na região intradomiciliar. Os locais que lideram o número de criadouros do Aedes aegypti são ralos e tambores, dentre outros reservatórios (baldes e latões). Também foram encontrados focos nas caixas d’água, piscinas, ralos, vasos sanitários em desuso, bebedouros de animais, vasos de plantas, calhas e lixo.

 

O combate ao mosquito foi intensificado, novos Agentes de Combate às Endemias foram contratados e já iniciaram a atuação em campo durante o LIRAa. Também estão sendo realizadas ações de mobilização da população em parceria com outras secretarias municipais, empresas privadas, escolas, além da capacitação constante dos profissionais de saúde das redes pública e privada.

 

Segue o alerta à população quanto à necessidade dos cuidados que evitam a proliferação do Aedes, como:

 

- Mantenha limpas e vedadas adequadamente as caixas de água e os demais reservatórios de água;

 

- A água sanitária também poder ser utilizada para eliminar as larvas do mosquito Aedes aegypti, na proporção de 2 ml de água sanitária por litro de água. Mas é importante lembrar que ela NÃO PODE ser utilizada em água para consumo humano e de animais. Assim, tambores de armazenamento (100 litros) de água não utilizada para consumo deve adicionar 1 copo americano (200 ml) de água sanitária. O tratamento deve ser repetido semanalmente, de preferência em dia fixo, de modo a garantir que a solução continue efetiva;

 

- Lave e escove as partes internas dos vasos sanitários em desuso e vede corretamente os ralos, fazendo uso de água sanitária e sabão em pó semanalmente nesses locais;

 

- Mantenha a casa limpa e sem água parada para evitar os possíveis criadouros: nada de manter pratinhos de plantas com água, garrafas pet ou qualquer objeto que facilite o acúmulo de água. Verifique as bandejas na parte de trás dos refrigeradores;

 

- Mantenha as calhas livres de entupimentos para evitar represamento de água nas mesmas;

 

- Mantenha limpos e escovados os bebedouros de animais domésticos. A água deve ser trocada diariamente;

 

- Mantenha piscinas devidamente tratadas;

 

- Dê um cuidado especial ao armazenamento e destinação do lixo. Jamais descarte qualquer outro material que possa acumular água no quintal de casa, no quintal de vizinhos, na rua ou em lotes vagos.

 

Essas ações são primordiais para se combater o vetor transmissor de doenças que matam. Para enfrentar o Aedes é preciso a união de toda sociedade. Realizar a vistoria nos domicílios e locais de trabalho é de extrema importância.

 

O trabalho de conscientização continua sendo realizado pelos Agentes Comunitários de Saúde em conjunto com os Agentes de Combate às Endemias. É importante reforçar que a população receba bem os Agentes e siga as orientações dadas por eles.

 

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
PUBLICIDADE